27 de maio de 2008

Pesquisa da Pró-Livro revela...

OS DEZ ESCRITORES MAIS ADMIRADOS PELOS BRASILEIROS

1. MONTEIRO LOBATO
2. PAULO COELHO
3. JORGE AMADO
4. MACHADO DE ASSIS
5. VINÍCIUS DE MORAES
6. CECILIA MEIRELES
7. CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
8. ÉRICO VERÍSSIMO
9. JOSÉ DE ALENCAR
10. MAURÍCIO DE SOUZA

OS LIVROS MAIS IMPORTANTES

1. A BÍBLIA
2. O SÍTIO DO PICA-PAU AMARELO
3. CHAPEUZINHO VERMELHO
4. HARRY POTTER
5. O PEQUENO PRÍNCIPE
6. OS TRÊS PORQUINHOS
7. DOM CASMURRO
8. BRANCA DE NEVE E OS SETE ANÕES
9. VIOLETAS NA JANELA
10. O ALQUIMISTA

Eu ia fazer uma análise dessa lista, mas eu acho que ela fala por si só.

Só vou explicar que "Violetas na Janela" é um livro psicografado.

Bem-vindos ao Brasil.

25 de maio de 2008

Sete Estupidezes do Mundo


1. Riqueza sem trabalho
2. Prazer sem consciência
3. Conhecimento sem caráter
4. Comércio sem moral
5. Ciência sem humanidade
6. Idolatria sem sacrifício
7. Política sem princípios

- Mahatma Gandhi

Budismo em 5 minutos


1. O sofrimento existe.
2. O sofrimento surge do apego aos desejos.
3. O sofrimento acaba quando o apego aos desejos acaba.
4. Livrar-se do sofrimento é possível com a prática dos Oito Caminhos.


Os Oito Caminhos
1. Visão Correta
2. Pensamento Correto
3. Fala Correta
4. Ação Correta
5. Vida Correta

6. Esforço Correto
7. Mente Correta
8. Contemplação Correta

Três Características da Existência
1. Transitoriedade
2. Sofrimento
3. Desapego ao ego


Obstáculos
1. Desejo sexual
2. Aversão e má-vontade
3. Preguiça e torpor
4. Perturbação e preocupação
5. Ceticismo exagerado


Fatores de Iluminação
1. Mente alerta
2. Investigação
3. Energia
4. Êxtase espiritual
5. Tranqüilidade
6. Concentração
7. Equanimidade

24 de maio de 2008

Votar...

Post #100

Então esse é o post #100 do nosso blog...

Grande merda!

20 de maio de 2008

Sexo & Chicotadas


Estava lendo hoje (na Wikipedia, a única coisa que eu leio) um artigo sobre o primeiro escândalo sexual em video-tape do Irã. Uma fita contendo 20 minutos de sexo explícito entre quem parecia ser uma famosa atriz de novelas e um homem que não era o marido dela tornou-se um escândalo nacional de grandes proporções, e que pode ter graves conseqüências para os direitos humanos naquele país.

Na época do escândalo, a pena para uma mulher que transasse fora do casamento era de 99 chibatadas. Pode até parecer pouco aqui na terra do DOPS, do Corisco e do Zumbi, mas isso é porque você nunca levou uma chibatada séria nas costas. Enfim, é um absurdo, mas é isso aí. Fanáticos religiosos queimando o filme da religião islâmica para o resto do mundo e dando motivo para os EUA enviarem tropas para gastar dinheiro público com munição e armas.

O problema é que os políticos iranianos ficaram tão absurdados com a fita que resolveram votar uma lei que penaliza os produtores e participantes de filmagens de sexo explícito dentro do país. Segundo o artigo, com tradução minha (e grifo meu também):

"Em junho de 2007, o Parlamento do Irã votou quase que em unanimidade em apoio de uma nova lei que torna a produção e participação em filmes pornográficos uma ofensa passível de pena de morte. Para ser oficializada, ela ainda precisa ser aprovada pelo Conselho dos Guardiões do Irã. Acredita-se que isso seja uma reação direta ao escândalo da fita."

Eu não sei qual parte dessa história me deixa mais surpreso e deprimido. Se é o fato das mulheres ainda serem tratadas dessa maneira, se é a falta de noção dos extremistas religiosos do Irã, se é o tabu sobre o sexo que ainda apavora a sociedade - muito mais do que há 40 anos atrás - ou se é a decadência moral em que o Irã mergulhou a partir do golpe de estado do Khomeini. Para quem se dá o trabalho de estudar História, o Irã é um dos países mais fascinantes, importantes e interessantes que existem sobre essa nossa Terrinha, e o que tem acontecido por lá nas últimas décadas é muito mais deprimente do que qualquer coisa que o Bush tenha feito - embora as duas coisas tenham ligações diretas, por mais bizarro que pareça.

Pelo ponto de vista legal, o mais estranho é que, segundo consta, fumar maconha no Irã é a coisa mais normal do mundo. Todo mundo fuma haxixe na rua, é fácil e barato de comprar, e por mais que existam algumas regrinhas sobre isso, quem mora lá diz que a polícia não faz nada. Ou seja, é uma sociedade onde fumar maconha é normal, explodir, matar, chicotear, é tudo normal, mas sexo, sexo não, sexo é proibido, e você tem que morrer.

Muito parecido com um outro país amigo nosso aqui na América do Norte, vocês sabem qual. Aliás, tão parecido mas tão parecido que dá até medo.

Só um último detalhe: no escândalo da fita, a mulher jura de pé junto que não é ela, mas o cara disse que é ele sim. Quer dizer, a mulher, querendo se resguardar, tirou o corpo fora, mas o cara, ao invés de ajudar e dizer que não era ela, ou até mesmo de dizer "não sou eu!", preferiu dizer que era ele sim que estava comendo aquela gostosa da televisão. Machismo não é só chicotear mulheres - machismo é a covardia por trás de tudo.

19 de maio de 2008

Fanzine "Verdades" agora no Google Groups

Bem, amigos... a idéia do fanzine acabou vingando! Já temos alguns colaboradores, e foi levantada a idéia de criar um espaço para que todos eles entrassem em contato. Sendo assim, qualquer um de vocês que quiser participar do zine pode colocar seu e-mail aqui embaixo e entrar no nosso "google groups".

Google Groups
Participe do Fanzine Verdades
E-Mail:
Visit this group

15 de maio de 2008

Monogamia Automobilística

Eu não tenho carro. Não sei dirigir, nem nunca precisei. Mas sempre gostei de carro, desde criança. Nunca gostei do barulho da cidade, da poluição desgraçada, da hecatombe ecológica provocada por nós através dos nossos carros. Mas a relação íntima e pessoal das pessoas com seus carros sempre me comoveu, por um motivo muito simples: não são apenas as máquinas que nos fascinam, mas sim as sensações e emoções que obtemos através delas. Seja a sensação de poder ao pisar no acelarador, ou o vento balançando os cabelos (de quem tem), ou as recordações dos lugares por onde passamos com os carros - tudo isso forma um sistema de memórias e símbolos muito complexo e pessoal.

Pensando em tudo isso, o fotógrafo italiano Matteo Ferrari fez uma série de fotos com donos de carros que nunca trocaram suas máquinas por outras. Pessoas que têm o mesmo carro desde os anos 1970 ou 1960. Pegou as fotos da época e refez as mesmas, com as mesmas pessoas e carros, hoje em dia, mostrando em imagens tudo isso que eu falei. Obviamente as fotos falam muito mais do que minhas reles letrinhas.

Essa aqui em especial é a coisa mais fofa que eu vi desde o cachorro dormindo no colo do mendigo.

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

5 de maio de 2008